sexta-feira, 8 de julho de 2011

08/07/2011 - O Apanhador no Campo de Centeio - J.D.Salinger


Em 2011 o livro O Apanhador no Campo de Centeio (The Catcher in The Rye) do Salinger, completa 60 anos.
Imagino que a maioria já tenha lido, mas, como é um livro que adoro, vou falar um pouquinho dele aqui. Vai que tem gente que não leu e se anima...
Bom, O Apanhador... é um livro curto, sobre o final de semana de um adolescente. Simples! A questão é que é um desses livros-paradigma. Ele foi escrito na metade da década de 40 e lançado, inicialmente, em forma de revista. Depois, em 51 saiu como livro de capa dura. E, nessa época, as pessoas não estavam muito acostumadas (ou nada acostumadas) com a linguagem coloquial, totalmente informal, que o Salinger colocou no livro. 

Sabe aquele negócio de ler livros "antigos" e a forma te parecer antiquada? Pois isso não acontece de jeito nenhum com esse livro. O jeito que ele descreve os locais, as cenas, os sentimentos do Holden Caulfield (que é o adolescente - anti-herói - personagem central da história) é muito legal. Parece que estamos lendo uma série de autores recentes, e não alguém que escreveu isso há 60 anos!

O Holden é um moleque largado,  de uma família rica de Nova York. Ele é expulso do internato de elite onde estuda e resolve, antes de contar pros pais o que houve, voltar mais cedo e perambular por NY. Nessa jornada, ele reflete sobre sua vida (ele é só um adolescente, não sabe nada da vida ainda!) e tenta definir como será seu futuro dali em diante.

Bom, eu não vou fazer uma sinopse do livro porque isso a gente encontra aos montes na internet. A ideia, aqui, é apenas recomendar um clássico. Acho que quem não leu ainda deve fazê-lo.

E o livro ainda tem uma série de curiosidades que o envolvem:

O assassino de John Lennon, Mark David Chapman, carregava este livro consigo no dia em que cometeu o crime. Segundo testemunho do próprio Chapman, estava lendo O Apanhador no Campo de Centeio, minutos antes de tentar o suícidio e da obra teria tirado inspiração para matar John.

O atirador que tentou matar Ronald Reagan em 30 de abril de 1981 afirmou a mesma coisa, ou seja, que teria tirado do livro a inspiração para matar o presidente Reagan. 

No filme "Teoria da Conspiração ", Mel Gibson faz o papel de um motorista de taxi psicótico, que acha que todos estão contra ele. Possui uma compulsão: comprar diariamente um mesmo livro, O Apanhador no Campo de Centeio. Em sua casa existem milhares de exemplares dessa obra, e por conta de uma dessas compras ele é descoberto por seus inimigos e quase acaba morto.

O livro vendeu, até hoje, 65 milhões de cópias. E todo ano vende mais de 250 mil. É mole?


O Salinger (Jerome David Salinger), depois do estrondoso sucesso do livro, foi ficando cada vez mais recluso. Daquele tipo de gente que todo mundo diz que viu em algum lugar, mas ninguém efetivamente viu. Apareceu pouquíssimas vezes em público, o que ajudou a criar o mito. Morreu em 2010.

Aliás, só pra terminar com um vídeo, acabei de me lembrar de um filme chamado "Procurando Forrester" (Finding Forrester - Dirigido por Gus Van Sant), que trata de um escritor recluso que ganhou o Pulitzer há 40 anos e depois nunca mais publicou nada. Um estudante negro consegue contato com ele e tenta aprender o ofício da escrita. Pra quem gosta de escrever (e de ler, por que não?) é um filme bem legal. Não sei se foi inspirado na história do Salinger, mas fica a recomendação do filme, com o Sean Connery. Segue o trailer.





5 comentários:

  1. Eu não li esse livro, me parece um pouco perigoso né? rsrs
    Vou colocar na lista.

    ResponderExcluir
  2. rs... perigoso nada! O livro é ótimo. Bom, é do meu gosto de literatura. Sugiro que tente. :)

    ResponderExcluir
  3. ainda não li esse livro, tenho muita vontade. já tinha ouvido falar do título, mas não da história. achei muito interessante! :D

    ResponderExcluir
  4. Há anos quero ler O Apanhador, mas é um livro caro.
    As recomendações são fortes. gostei da sua, Maurício!
    Abraço e ótimo final de semana.
    @rafaschiabel
    http://lembradaquelahistoria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. O livro é ótimo, clássico! Não que tenha algo de extraordinário, além de ser bem escrito e envolvente.
    Na verdade, se parece com muita coisa por aí: livros, filmes, etc. Mas o grande mérito, é que ele influenciou tudo o que veio depois. Ninguém havia escrito sobre o fim da adolescência dessa forma antes. Obrigatório!
    http://robsonbatt.blogspot.com

    ResponderExcluir