quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

04/01/2012 - Entrevista para o blog "Academia de Leitura"


Segue a entrevista que fiz para o blog "Academia de Leitura" , dos meus amigos Ewerton Lenildo e Ingrid Lilianne.Vou colocar apenas um trecho, e o restante está aqui , para que vocês visitem e prestigiem o ótimo blog da turma.

[ENTREVISTA] - Maurício Gomyde

Como estão meus lindos? Hoje eu trouxe aqui uma entrevista que fiz com autor Maurício Gomyde. Quem quer entrevista? [aaaa] todos <õ/ Então let's go! *-*

Ingrid: Antes de qualquer coisa, gostaria de elogiar “Ainda não te disse nada” porque é um livro surpreendente, viciante e com um bom humor delicioso. Acho que todos os leitores deste romance se sentem igualmente conectados com os personagens... Pode nos dizer como surgiram as primeiras idéias para Marina?

Maurício: Antes de mais nada, gostaria de agradecer por suas palavras. É muito gratificante lembrar todo o trabalho (se é que se pode chamar de trabalho...rs) durante os 7 meses que levei para contar a história toda. 
Quanto à Marina, a protagonista, ela foi sendo "construída" aos poucos. Eu queria uma personagem jovem, até por conta da premissa do livro, que é ela se apaixonar por alguém bem mais velho. E as outras características pessoais e físicas, o local de trabalho, o curso que ela estuda, foram todas ideias que surgiram com a escrita. O ideal, quando se vai escrever um romance, é planejar bem as personagens, e eu tentei fazer da melhor forma. Acho que ela ficou interessante, crível. Espero que as pessoas se identifiquem bastante com ela.

Ingrid: Marina sente-se envolvida com a imagem de Júlia que é um “anjo carteiro”, pela maneira como ela dedica-se emocionalmente ao escrever para pessoas que nem mesmo conhece... Mas sabemos que você é totalmente conectado com a internet, por que decidiu escrever sobre alguém que volta à emoção das cartas?

Maurício: Este "ser conectado" é meio que um imperativo nos dias de hoje. Não que eu ache a coisa mais divertida do mundo...rsrs. Encaro como um trabalho, e, se eu pudesse escolher, preferiria ficar lendo um livro, escrevendo, assistindo à TV, conversando...rs. Mas hoje em dia não tem como não utilizar a ferramenta, então eu meto as caras. Quanto à emoção das cartas, eu ainda preservo este hábito, mas com poucas pessoas. Não é todo mundo que se dispõe a escrever, a ir até uma agência, ficar na fila e mandar...rsrs. As pessoas são mais imediatistas hoje em dia mesmo. Mas troco cartas com essas pessoas e acho muito interessante. Imaginar o momento em que a pessoa colocou as palavras no papel é um sentimento gostoso.
 
(...) 

2 comentários:

  1. Olá Maurício!

    Só pelo gostinho da entrevista aqui, fiquei com mais vontade ainda de ler o seu livro! Está fazendo muito sucesso.

    Beijos,

    Marcelle!
    http://bestherapy.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Maurício :) Obrigaada por postar a entrevista no blog, (obrigada mesmo!) hahah beijãao!

    ResponderExcluir